INSTITUTO ALDEIA DA SERRA

ECOS DA SERRA

Projetos

“ALIMENTE-SE BEM”

1. Introdução

Criado em 1999, «Alimente-se Bem» é um programa educativo, que incentiva a mudança de hábitos alimentares para a população. Suas aulas práticas ensinam receitas saborosas e nutritivas a baixo custo, utilizando conceitos para o aproveitamento integral dos alimentos” (www.sesisp.org.br)

                 O curso é destinado para a população em geral, com carga horária de 10 horas. Além dos cardápios nutritivos e econômicos, o participante adquire conhecimentos sobre:

                 - planejamento de compras;

                 - reconhecimento, armazenamento, e higiene dos alimentos;

                 - aproveitamento integral dos alimentos.

 

2. Coordenação do Projeto

                 ....

3. Objetivo

                 Cumprir uma determinação estatutária (art. 2°: Promoção da segurança alimentar e nutricional) e dar visibilidade ao Instituto diante da sociedade de Aldeia da Serra e seu entorno.

4. Justificativa

                 Alimentar-se bem, com alimentos nutritivos e bem preparados é um direito de todos. Comida é vida. Quem dá um objeto a alguém, dá algo que pode ser descartado. Quem dá alimento, está dando vida. Permitir que as pessoas que preparam os alimentos, tenham maior noção do que estão fazendo e possam agir sabendo escolher, é criar uma sociedade saudável em sua base. Esta é uma das propostas concretas do Instituto Aldeia da Serra.

5. Resultados esperados

                 1° - o aprendizado das noções básicas do processo de preparação dos alimentos:

                                  - saber planejar as compras;

                                  - reconhecer, armazenar, e manusear com higiene os alimentos;

                                  - aproveitar-se de modo integral dos alimentos;

                 2° - a consciência da importância de um alimento saudável como direito e responsabilidade de todos;

                

6. Estudo preliminar

1º - Descrição do que se vai fazer

                                  “Alimente-se bem” é um curso modular. Sua duração é de 10 horas, divididas em 4 aulas de 2:30 cada uma. O curso é ministrado em uma cozinha didática, adaptada em uma carreta, totalmente equipada com eletrodomésticos e utensílios de cozinha. Com capacidade para 30 alunos, foi construída para viabilizar a realização dos cursos do programa em cada comunidade. Ministram o curso 4 funcionários, sendo 2 nutricionistas e 2 auxiliares de cozinha.

                 O curso aborda os temas de alimentação saudável, higiene na manipulação dos alimentos, planejamento de compras, elaboração de cardápios, alimentos funcionais, congelamento etc.

2º - Custos

                 Os custos dizem respeito a vários itens referentes ao contrato que se celebra entre as partes. Entram nesses custos e providências:

                 - a acomodação, refeições e transportes dos 4 funcionários que ministram o curso;

                 - contratação de um motorista devidamente habilitado para a condução da carreta;

                 - contratação de um cavalo mecânico para ida e volta da carreta;

                 - o deslocamento da U.Móvel, bem como da adequação do local para o seu estacionamento (o local terá que ser pavimentado, plano e próximo a sanitários públicos);

                 - víveres, material de limpeza e descartáveis;

                 - os gastos com a energia elétrica (rede trifásica, 220v, com necessidade de 25KVA) e combustível para o caminhão;

                 - ponto de água tratada e de recolhimento de esgoto doméstico;

                - responsabilidade civil e criminal;

                - responsabilidade de adquirir as matérias primas;

                 - arcar com os custo de peças de divulgação;

3º - Responsabilidade

                 A responsabilidade direta será da diretoria, por meio de seus tesoureiros, que formarão a equipe necessária para a condução do programa;

4° - Cronograma

                 - Data, local e hora: a serem determinados

                 - Assim que se estabelecerem as datas, haverá necessidade de se fazer:

                                  .. as propagandas e as faixas alusivas;

                                  .. os contatos com a mídia local e a comunicação com as autoridades locais;

                                  .. as parcerias com os vários grupos interessados.

                                  .. o programa detalhado com as responsabilidades de cada um tomará no projeto.

 

“UM SÍTIO NOVO NO MORRO”

1.1. Descrição prévia

O Sítio do Morro é uma das comunidades do entorno de Aldeia da Serra. Dista uns 5 quilômetros do centro de Aldeia. A localidade é muito bonita em seu aspecto físico. Parece que esta mesma beleza não é encontrada na situação concreta da comunidade. Assim que se chega no Sítio, encontra-se um pequeno centro com uma escola que vai da 1ª à 4ª série, uma pequena capela e um salão comunitário, com algumas casas de boa qualidade. Um em “ensaio’ de asfalto nesse local. Nesse centro realizam-se algumas atividades comunitárias, tais como a visita da Unidade Móvel de Saúde, as reuniões da comunidade católica (pastoral da criança, a cesta básica)...

Continuando a estrada, agora de cascalho e “póntilhada” de buracos e valas, há uma subida que conduz às casas da maioria da população, chamada “favela”. No meio da subida está em construção uma grande igreja evangélica. A situação é de precariedade, embora as casas e sua construção não dêem a impressão de uma “favela típica”. Aqui se encontram as dificuldades “normais de quem mora num morro sem nenhuma infra-estrutura: falta de calçamento, de rede de água, de esgoto... Pode-se imaginar o que significa viver ali em dias chuvosos e frios!

A situação torna-se mais difícil para as crianças e adolescentes após a quarta série do ensino fundamental... A opção é Santana de Parnaíba, devendo fazer longos trechos a pé e suportanto, posteriormente, a poeira e a lama da estrada de chão batido que conduz às escolas da cidade.

É nesse espaço que ECOS da Serra quer constituir o seu primeiro núcleo de atividades.

2. Objetivos

2.1. Geral

Construir um núcleo de atividades sociais e promocionais para crianças e pré-adolescentes dos 07 aos 14 anos.

2.2. Específicos

- promover atividades de reforço escolar, com a repetição dos conteúdos passados na escola,  aprofundando dessa forma, o aprendizado;

- proporcionar o aprendizado de conteúdos referentes à higiene, educação moral e social, informática, educação ecológica, etc.

- fornecer um lanche durante as atividades;

- cuidar das condições básicas de saúde...

3. Resultados

As crianças e pré-adolescentes são, normalmente, o grupo mais sacrificado em condições de carências sociais, seja no âmbito familiar, educacional, moral, etc. Enfrentam dificuldades para estudar, têm alimentação insuficiente, pouca ou nenhuma higiene, nenhum espaço para brincar... Acolhendo essas crianças o Projeto visa, num futuro muito próximo, dar-lhes as condições fundamentais para uma vida digna: apreensão do conteúdo da escola, uma vida com saúde, devido à prática constante dos cuidados de higiene, a garantia de seus direitos fundamentais: liberdade para brincar, o fato de ser tratados com amor e carinho, a possibilidade de uma alimentação saudável...

4. Atividades

- cadastramento das famílias da comunidade, com seus respectivos filhos e filhas em idade compreendida entre 07 e 14 anos;

- construção do espaço físico apto a acolher o projeto;

- contato direto com pais, mães e responsáveis, a fim de dar credibilidade ao projeto;

- aquisição de um local próprio para a construção do núcleo, dispondo de salas e espaço para a recreação e outras atividades físicas;

- determinação do número, contratação e treinamento de monitores e voluntários para a condução pedagógica do projeto;

- aquisição do mobiliário necessário: mesas, cadeiras, armários, utensílios de copa e cozinha (baldes, panelas, pratos, copos, talheres...);

- levantamento florestal do Sítio e seu entorno, bem como dos mananciais e sua condição de uso;

- estudo da biodiversidade local que possibilite o plantio de árvores nativas e o eventual retorno dos pássaros e animais autóctones...

5. Recursos

5.1. Humanos

- diretoria do Instituto, colaboradores e demais pessoas envolvidas;

- pais, mães e responsáveis, com seus respectivos filhos e filhas;

- monitores, funcionários e outros.

 

5.2. Materiais

- recursos pecuniários suficientes para a condução das atividades (contribuições dos sócios, uso dos incentivos fiscais de pessoas físicas e jurídicas, convênios com entidades públicas e particulares, doações saltuárias...);

- um casa (edifício) grande o suficiente para acolher, inicialmente, de 40 a 50 crianças e pré-adolescentes (salas, cozinha, toaletes, chuveiros), não se esquecendo da divisão de masculinos e femininos...

- material de construção (tijolo, areia, ferro, cimento, telhas, madeira, material elétrico e hidráulico) etc;

- material didático: mesas, cadeiras, quadros, cadernos, canetas, lápis, borracha, régua, giz, retro-projetor, etc...

- material de limpeza em quantidade suficiente para a manutenção da higiene no local (baldes, vassouras, rodos, panos de prato e de chão, papel higiênico, desinfetantes, detergentes, sabão...).

6. Cronograma

- até 30 dias: aquisição da propriedade (aluguel, compra, doação);

- até 60 dias: plantas e aquisição do material de construção;

- até 90 dias: término das obras e início das atividades;

- durante todo esse processo: determinação do número, contratação e treinamento de monitores e voluntários para a condução pedagógica do projeto...

 

“COOPERATIVAS - (EM ESTUDO)”

1. O que são

As cooperativas são associações de pessoas, com forma e natureza próprias, de natureza civil, não sujeitas à falência, constituídas para prestar serviços aos associados.

2. Características

- adesão voluntária;

- número ilimitado de pessoas;

- variabilidade do capital social representado por quotas-partes;

- limitação do número de quotas-partes, podendo haver proporcionalidade das mesmas;

- as quotas-partes não podem ser cedidas a terceiros;

- voto singular de cada sócio;

- quorum para o funcionamento e deliberação dos sócios na Assembléia Geral;

- retorno das sobras líquidas do exercício;

- os fundos de Reserva e de Assistência Técnica Educacional e Social não podem ser divididos;

- prestação de assistência aos associados e seus empregados;

- área de admissão dos associados limitada às possibilidades de reunião, controle, operações e prestação de serviços.

3. Objetivo

As cooperativas podem adotar por objetivo qualquer tipo de serviços, operação ou atividade, devendo utilizar sempre a expressão cooperativa em sua denominação.

4. Tipos

As cooperativas podem ser de três tipos:

- singulares: cooperativas constituídas por um número mínimo de 20 pessoas físicas; a elas, eventualmente, pode se ligar uma pessoa jurídica que tenha por objeto as mesmas atividades, ou então atividades correlatas das pessoas físicas ou sem fins lucrativos;

- centrais ou federações de cooperativas; aquelas constituídas por ao menos 3 cooperativas singulares; pode, excepcionalmente, receber sócios individuais;

- confederações de cooperativas: as constituídas, pelo menos, por três centrais ou federações.

5. Características das cooperativas singulares

- elas são responsáveis pela prestação direta de serviços aos associados;

 

“NOTA FISCAL PAULISTA - (EM ESTUDO)”

Entidades Sociais

A partir do dia 1º de maio de 2009, o sistema da Nota Fiscal Paulista possibilitará a participação das entidades paulistas de assistência social, sem fins lucrativos. As principais alterações no sistema são:

1.     Apenas entidades paulistas de assistência social, sem fins lucrativos, devidamente cadastradas na Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social – SEADS, na situação “ativa”, poderão participar da Nota Fiscal Paulista.

2.     Uma vez cadastrada na SEADS, a entidade social deverá providenciar o seu acesso ao sistema da Nota Fiscal Paulista na forma de “CONSUMIDORA PESSOA JURÍDICA”.

3.     A entidade social poderá ser beneficiada no Programa da Nota Fiscal Paulista por meio das seguintes formas:

- Receber a transferência de créditos;

- Receber a doação de documentos fiscais de fornecedores ou consumidores, que não contenham a identificação do consumidor.

4.     A inclusão/cadastro dos documentos fiscais, recebidos de fornecedores ou consumidores, sem a identificação do consumidor, deverá ser realizada no sistema da Nota Fiscal Paulista por PESSOA FÍSICA credenciada pela entidade social no próprio sistema da Nota Fiscal Paulista.

5.     Os consumidores também poderão cadastrar o documento fiscal, sem identificação, a favor de uma entidade social, bem como doar seus créditos sem limite de valores.

6.     As entidades já poderão incluir no sistema os documentos emitidos em ABRIL/2009.

Para maiores informações, consulte o “Manual da Entidade Social” e o "Manual do Consumidor", disponíveis no site, em “Manuais e aplicativos”.

Fonte: http://www.nfp.fazenda.sp.gov.br/entidades_soc.shtm

Eventos de Lançamento